Capital de Giro: Entenda como gerir melhor esse recurso

Capital de Giro: Entenda como gerir melhor esse recurso

Capital de Giro: Entenda como gerir melhor esse recurso

O capital de giro é fundamental para que uma empresa seja financeiramente saudável, conseguindo honrar os compromissos de curto prazo e manter as atividades funcionando normalmente. Além disso, qualquer custo extra como um novo produto no estoque gera uma movimentação financeira.

Por isso, é importante se planejar e sempre ter controle sobre o fluxo de caixa. Para saber exatamente quanto entra e quanto sai de capital do seu negócio, é bom aprender a fazer essa conta.

Você sabe como fazer o gerenciamento do capital de giro da sua empresa?

Essa pergunta é muito importante para que seu negócio dê certo e cresça de maneira saudável. Afinal, o planejamento financeiro faz diferença na expansão de empresas. Como o Capital de Giro é o que movimenta a sua empresa, ter esse número em mente facilita também a criação de metas, a organização de estoque e o controle de gastos em itens que realmente são necessários para que sua operação se mantenha sustentável.

O que é o Capital de Giro? 

O capital de giro da empresa são todos os recursos financeiros necessários que ela precisa para se manter operando regularmente, ou seja, é a parte do investimento total que fica reservada para o pagamento de custos e despesas ao longo do tempo.

Este processo de entrada de dinheiro (ativo circulante – AC) e saída de dinheiro (passivo circulante – PC) pode ser demorado, por isso ter um montante para pagar as contas fixas, como impostos, aluguel do espaço, salários dos funcionários, contas de luz, telefone, água, internet e outras despesas é fundamental para a saúde financeira da empresa. Porém não é apenas antes do início da empresa que se faz necessário avaliar este indicador, ele é uma ferramenta muito importante de controle e avaliação financeira de seu CNPJ.

Além disso, para entender o conceito, é importante levar em consideração todos os recursos ativos e passivos da empresa, e não apenas o saldo em dinheiro. Por exemplo, esse conceito também inclui:

  • caixa;
  • estoque;
  • investimentos;
  • pendências a receber e a pagar;
  • movimentações da conta corrente da empresa.

Quais são os tipos de capital de giro?

Outro fator importante, que deve ser levado em consideração, é conhecer as categorias desse recurso. A seguir, veja um pouco mais sobre cada uma delas!

  • Capital de giro líquido

Capital de giro líquido é toda a quantia que sobra depois de subtrair o passivo circulante do ativo circulante. É importante destacar que Imóveis e outros bens não podem ser incluídos nesse montante, já que eles não representam um capital que pode ser utilizado pela empresa (são passivos não circulantes).

  • Capital de giro negativo

O capital de giro negativo pode servir como um sinal de alerta para a empresa, tendo em vista que essa condição é gerada quando a soma dos capitais não basta para arcar com todos os débitos. Caso essa situação seja com uma previsão de curto prazo, não há motivos para desespero, já que ela pode ser facilmente revertida com a arrecadação futura.

  • Capital de giro próprio

O capital de giro próprio é quando a empresa consegue acumular capital suficiente para equacionar as contas, sem a necessidade de recorrer a terceiros, como empréstimos ou investimentos externos. Com isso, a empresa consegue atuar de maneira mais saudável, já que ela utiliza apenas os recursos que adquiriu de maneira própria.

  • Capital de giro associado a investimentos

O capital de giro associado a investimentos é referente ao dinheiro destinado para cobrir as despesas com investimentos que a empresa pretende fazer. Assim, caso o negócio precise investir em maquinário, por exemplo, será necessário contar com um capital para fornecer todos os recursos envolvidos nesta ação.

Qual a diferença entre Capital Social e Capital de Giro?

Antes de entendermos melhor como calcular o capital de giro de sua empresa, é importante diferenciar este conceito do conhecido capital inicial.

Para realizar a abertura de sua empresa, é necessário que você e seus sócios, caso possua, planejem quanto será necessário investir para que o negócio comece a operação. Este montante é o chamado capital inicial e deverá ser calculado com base na necessidade de compra de equipamentos, despesas iniciais, exigências legais de capacidade financeira para determinados segmentos, entre outros. Já o capital de giro, como comentamos, é o montante necessário para que a empresa possa continuar suas atividades após a abertura e estruturação, ou seja, é o valor que financia a realização e manutenção da operação.

Siglas do Balanço Patrimonial

Apesar de se falar em cálculo de capital de giro, a conta a ser feita é relativa à necessidade dele. Como está a situação financeira? É possível descobrir por meio de fórmulas simples e rápidas. Cada tipo de capital pede uma conta própria. Primeiro, é preciso entender as siglas das contas do balanço patrimonial:

NCG = Necessidade de Capital de Giro

CP = Contas a pagar

CR = Contas a receber

VE = Valor em estoque

CGL = Capital de Giro Líquido

AC = Ativo Circulante

PC = Passivo Circulante

CGP = Capital de giro próprio

PL = Patrimônio Líquido

AP = Ativo Permanente

RLP = Ativo Realizável a Longo Prazo

  • Necessidade de capital de giro: NCG = CP – (CR + VE)
  • Capital de giro líquido:  CGL = AC – PC
  • Capital de giro próprio: CGP = PL – (AP + RLP)

Como calcular o capital de giro?

A princípio, o mais recomendado é calcular o capital de giro líquido (CGL), que desconsidera componentes de baixa liquidez. Dessa forma, a fórmula para o cálculo mais simples é:

 CGL = AC – PC

Onde o ativo circulante (AC) leva em conta:

  • aplicações financeiras;
  • dinheiro disponível no caixa;
  • contas bancárias;
  • pendências a receber;
  • outros recursos ativos.

Enquanto o passivo circulante (PC) considera, principalmente:

  • contas a pagar;
  • despesas fixas e variáveis;
  • fornecedores;
  • empréstimos;
  • manutenções;
  • entre outros.

Exemplo de como calcular o capital de giro.

Por exemplo, imagine que uma empresa possui:

  1. um ativo circulante de R$30 mil;
  2. um passivo circulante, considerando todas as variáveis, de R$15 mil.

CGL = R$30.000 – R$15.000 = R$15.000

Nesse caso, o capital de giro do empreendimento será de R$15 mil. Isso significa que a empresa não apenas possui dinheiro suficiente para cobrir suas despesas, como também tem um superávit de R$15 mil.

Como manter o controle do dinheiro?

Entender os conceitos financeiros e como aplicá-los são apenas alguns dos passos para elaborar um planejamento financeiro eficiente.

Isso porque depois de compreender melhor esse conceito e como ele se aplica à sua empresa, é preciso adotar hábitos que ajudem a controlar melhor os seus recursos. Por isso, confira algumas dicas para realizar uma administração mais assertiva das finanças da sua empresa:

  • cuide do fluxo de caixa;
  • aprenda a negociar com fornecedores;
  • faça uma boa gestão de pagamentos;
  • analise as opções de empréstimos empresariais.

Aprender o que é capital de giro e mantê-lo organizado é de extrema importância para o seu negócio, já que um montante significativo indica mais dinheiro sobrando para investir e compor a segurança financeira da empresa.

Para saber mais informações sobre a nossa plataforma gestão financeira e sobre como trabalhamos com a tecnologia para otimizar os processos gerenciais do seu negócio, acesse o nosso site https://www.supplymidia.com.br/ .

Compartilhe:
FacebookTwitterLinkedIn

Receba nossas novidades

Junte-se à nossa newsletter para se manter atualizado sobre recursos e lançamentos.

    Ao se inscrever, você concorda com nossa Política de Privacidade e dá consentimento para receber atualizações da nossa empresa.